Como sabe como surgiu a Lei de Murphy?

Todos conhecem bem ou pelo menos já ouviram falar da famigerada Lei de Murphy, ou Lei do Azar, mas você sabe a sua origem? Ela foi criada por Edward Murphy (1918-1990), um engenheiro espacial norte-americano. Em 1949, ele estava fazendo experimentos para conferir a respiração e os batimentos cardíacos de pilotos, com o fim de analisar como a desaceleração afetava o corpo deles. O técnico responsável por instalar o equipamento cometeu um erro: colocou ao contrário as peças necessárias para a pesquisa. Assim, o teste não funcionou.

Por conta deste erro, Murphy afirmou que se o homem tem algum modo de cometer um erro, ele o fará. E dessa frase, saiu mais adiante a Lei de Murphy: “Se algo puder dar errado, dará”. Em outra versão: “Se alguma coisa tem a mais remota chance de dar errado, certamente dará”. Para Edward Murphy, a Lei significa que devemos estar sempre preparados para o pior dos acontecimentos. Isso, porque a teoria de Murphy é explicada pela matemática e, mais precisamente, pela probabilidade.

Com o passar dos anos, algumas das situações “azaradas” mais frequentes ficaram popularmente conhecidas e foram apelidadas de Leis de Murphy como “a fila do lado sempre anda mais rápido” e “o pão cai sempre com a manteiga para baixo”, entre várias outras. É comum pensar que as filas ao lado são mais rápidas e que sempre escolhemos a fila que anda mais devagar. Isto é muitas vezes associado a Lei de Murphy, mas saiba que existe uma explicação científica. Quantas filas têm em um mercado? Quatro? Então, há 75% de chance de alguma delas ser mais rápida que a sua fila. Se há cinco filas no supermercado, você tem apenas 20% de possibilidade estar na fila mais rápida. E, quanto mais filas tiver num supermercado (ou num banco ou numa loja) maior será a chance de você sentir que escolheu a fila errada, pois as chances de estar na fila mais rápida diminuem.

No caso do pão com a manteiga, essa situação é tão frequente no cotidiano das pessoas que chegou a virar tema de estudo de um cientista. Na década de 1990, Robert Matthews fez uma longa pesquisa chamada “A Torrada em Queda – A Lei de Murphy e as Constantes Fundamentais” para buscar compreender porque o pão costuma cair com a manteiga para baixo. Matthews explica que se estivéssemos falando apenas de probabilidade, sem outros fatores envolvidos, haveria 50% de chance para o pão cair de cada lado.

Entretanto, ele chegou à conclusão de que há alguns elementos que devem ser levados em conta: o pão costuma cair de uma mesa (ou de um prato) e, dependendo da altura da mesa, é praticamente impossível que o pão atinja uma velocidade grande o suficiente para dar um giro de 360º e cair com a parte da manteiga para cima. Assim, o mais provável é que o pão gire menos ao cair, tendo mais chance de cair com a manteiga para baixo. Neste caso não estamos falando apenas de matemática. A física, a gravidade e a aceleração ocupam um papel importante na explicação do pão com manteiga. O cientista explica que o mesmo acontece se você derrubar um livro, por exemplo (ou outro objeto de formato semelhante). Se ele cair de uma mesa, vai chegar ao chão ao contrário provavelmente. Dessa forma, se antes ele estava com a capa para cima, agora ficará com a capa para baixo no chão após a queda. Interessante, não é mesmo?

Compartilhe:
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on google

Conteúdo Relacionado