Radar da Economia Criativa de Minas Gerais

O Radar da Economia Criativa foi produzido em 2018 e traz um estudo aprofundado sobre o setor. A definição de economia criativa abrange o patrimônio material e imaterial, as expressões culturais, as artes do espetáculo ou performáticas, a mídia e as criações funcionais, como moda, design, arquitetura, as artes aplicadas e decorativas.

O ponto comum desses setores econômicos é o fato de a criatividade desempenhar papel primordial para a geração de valor. O setor gera empregos altamente qualificados em torno de uma rica variedade de profissões que têm tudo para atrair os jovens das novas gerações. O modelo de negócios da economia criativa é descentralizado, multipolar, flexível e dinâmico e favorece o surgimento de novas formas de expressão, financiamento e comercialização.

O P7 Criativo considera quatro grupos de atividades econômicas: Mídia (edição/editoração, audiovisual e música), Cultura (patrimônio cultural, atividades artísticas e gastronomia), Criações Funcionais (arquitetura, publicidade, moda, design e móveis) e Tecnologia e Inovação (software e conhecimento). Clique no botão abaixo para ler o documento na íntegra.

Compartilhe:
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on google

Conteúdo Relacionado

Nesta edição, a série Reinvenção entrevista a podcaster Karin Voll, uma das fundadoras e responsáveis pelo grupo uaiPod. Leia mais.
Confira a entrevista de Daniella Fonseca, da Sim! Conteúdo Audiovisual para a nossa série Reinvenção.
Quando a pandemia não é o maior desafio do ano, a superação é mesmo a única forma de sobrevivência. Confira a entrevista.
Uma volta por cima em um ano mais que desafiador foi o caminho trilhado pela Cervejaria Brüder. Leia mais na série Reinvenção.