Investimento em audiovisual e agenciamento de profissionais do setor são o foco da Investimage

Nesta edição da série “Comunidade P7”, entrevistamos o sócio e diretor de gestão e finanças da Investimage, Manoel Castello Branco. A empresa é uma holding de investimentos e consultoria estratégica especializada em indústria criativa, com foco em mídia e entretenimento. O grupo, de origem franco-brasileira, foi fundado em 2008 com a ambição de favorecer o encontro entre a indústria criativa e o mercado de capitais e se dedicou, nos últimos anos, à estruturação e gestão de fundos de investimento, principalmente de Fundos de Financiamento da Indústria Cinematográfica Nacional – Funcines.

A Investimage já investiu em mais de 50 filmes de longa-metragem, que geraram quase R$ 300 milhões de renda de bilheteria nos cinemas. Os filmes investidos estiveram entre os 10 nacionais de maior de público e bilheteria e cinco deles representaram o Brasil na corrida ao Oscar.

“A Investimage é o maior investidor privado na produção, distribuição e difusão de conteúdo audiovisual brasileiro. Ao longo de sua história, a empresa já investiu cerca de R$ 100 milhões em projetos de produção e comercialização de filmes e séries de sucesso e grande repercussão internacional, além de ser acionista, por meio dos fundos que gerencia, das produtoras de conteúdo ficcional e de animação mais relevantes do Brasil: Conspiração, Glaz Entretenimento e Copa Studio”, explica Manoel Castello Branco.

Segundo o diretor, o Grupo Investimage presta serviços por meio de duas empresas distintas: Investimage Asset Management – instalada no Rio de Janeiro e cujo objeto é a administração e gestão de recursos de terceiros, nos termos da regulamentação da Comissão de Valores Mobiliários – CVM; e Investimage Advisory, sediada em Belo Horizonte e que atua nas áreas de consultoria e intermediação de negócios.

Passado

Em relação aos desafios trazidos pela pandemia em 2020, Manoel Castello Branco destaca que o setor audiovisual foi realmente bastante prejudicado. Em março de 2020, a paralisação total dos cinemas brasileiros devido às medidas restritivas impostas pela Covid-19 suspendeu precocemente um ano que vinha apresentando bons resultados.

“A pandemia impactou fortemente o mercado de mídia e entretenimento nacional e internacional, acarretando o fechamento brutal de complexos de exibição, a interrupção de filmagens, a suspensão dos novos projetos e o adiamento por tempo indeterminado de festivais e dos novos lançamentos ao redor do mundo – retardando, inclusive, as filmagens e lançamentos dos projetos investidos pela Investimage”, ressalta.

Ele lembra que as salas de exibição do país estiveram fechadas, obedecendo às imposições das autoridades. Por outro lado, a população confinada em casa passou a consumir mais conteúdo audiovisual, particularmente por meio das plataformas de streaming, fenômeno que, no curto prazo, poderá vir alterar a lógica de importância das diversas janelas de exibição.

“Hoje, muitos lançamentos em salas de cinema continuam adiados à espera de um contexto mais favorável. A Investimage esteve atenta à evolução do mercado nacional e monitorou as medidas tomadas pela Agência Nacional do Cinema – Ancine para fazer frente aos impactos negativos do vírus na indústria audiovisual, vítima colateral da pandemia. Ainda que não seja possível cravar a data de reabertura dos cinemas no Brasil – o que dependerá da imunização da população, já prevemos que que a crise poderá mudar a história da indústria audiovisual para sempre, impactando inexoravelmente os hábitos dos espectadores e a cronologia das janelas de exibição”, prevê o diretor de gestão e finanças.

Manoel também destaca que “diante da escassez de recursos públicos, o financiamento privado surge como um oásis para as milhares de produtoras independentes brasileiras, especialmente diante da crescente demanda das plataformas de streaming por conteúdo de alta qualidade. Nesse sentido, o papel da Investimage, como administradora de recursos e investidora, torna-se ainda mais crucial para o desenvolvimento e crescimento do mercado audiovisual nacional”. 

Investimentos 

Manoel Castello Branco explica que foi publicada em agosto a Lei 14.044/2020, resultante da derrubada do veto presidencial 62/2019, que prorrogou até 2024 o prazo para utilização dos benefícios fiscais previstos na Lei do Audiovisual e na Medida Provisória nº 2.228-1/2001.

Dessa forma, aos investidores – pessoa jurídica e pessoa física – continua assegurada a possibilidade de obterem uma dedução fiscal equivalente a 100% do valor investido na aquisição de quotas de FUNCINES, até o limite de 3% do imposto de renda devido (empresas), e de 6%, no caso da pessoa física. Dessa forma, o FUNCINE permanece como um produto de investimento bastante atrativo para o investidor que deseja participar do desenvolvimento da indústria audiovisual nacional – um investimento sem risco de capital para o investidor que aplica recursos advindos de incentivo fiscal.

Futuro

“A expectativa de uma vacinação ampla e da população brasileira em 2021 abre boas perspectivas, principalmente porque poderá acelerar a reabertura dos complexos cinematográficos e permitir que novos filmes sejam lançados no circuito comercial. Vários títulos investidos pela Investimage, cujos lançamentos foram adiados por causa da pandemia, deverão estrear no 2º semestre de 2021 e 1º semestre de 2022. São longas-metragens com alto apelo comercial e que, certamente, estarão entre os grandes sucessos de bilheteria nacional no horizonte do pós-pandemia”, antecipa o diretor. 

A Investimage também já encaminhou a abertura de novos fundos de investimento, que deverão se tornar operacionais em 2021 e oferecer mais fontes de recursos financeiros para os agentes econômicos da indústria de conteúdo audiovisual. Além disso, a empresa está desenvolvendo produtos financeiros inéditos e novos serviços de assessoria às produtoras audiovisuais, por exemplo, os serviços de recrutamento e agenciamento de profissões artísticas e técnicas nas áreas de produção e pós-produção audiovisual.

“Encontrar e identificar talentos é uma necessidade vital do setor audiovisual. Disso depende a renovação, a abundância, a diversidade e o ineditismo do conteúdo. A fabricação de um filme mobiliza um efetivo de talentos significativo, bem como serviços e funções de apoio, demandando a organização e implementação de um processo de recrutamento estruturado e regular. Entretanto, faltam informações sobre o mercado e as competências disponíveis. Em segundo lugar, trata-se de um mercado de trabalho fundamentado em reputação e recomendação, o que dificulta a integração de jovens profissionais e novos talentos”, explica Manoel Castello Branco.

Nesse sentido, a proposta da Investimage é facilitar a montagem das equipes de produção de um filme ou de uma série, reduzindo o tempo e os custos de seleção e recrutamento de profissionais, visando a atender à exigência de qualidade e sustentar o forte crescimento da indústria de produção audiovisual brasileira. “O agenciamento de serviços e contratos pela Investimage funciona como um aval de confiança para a construção de parcerias transparentes, duradouras e de sucesso, garantindo o comprometimento e a seriedade das partes contratante e contratada para com o cumprimento de suas respectivas obrigações”, finaliza.

Investimage
www.investimage.com.br

Compartilhe:
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on google

Conteúdo Relacionado